magazine

Saiba as novidades e notícias da Eurofutton

magazine

Este espaço é dedicado a partilhar novidades de produtos, do sector e algumas dicas para os seus clientes…

O segredo dos militares para adormecer em apenas dois minutos

quarta-feira, 05 setembro 2018
Se é daqueles que não consegue dormir e frequentemente acaba a ‘contar carneiros’, então não desespere porque há boas notícias. Foi recentemente divulgada uma técnica militar secreta que diz ser capaz de ajudar qualquer pessoa a adormecer em apenas dois minutos. O truque é supostamente utilizado pelo exército norte-americano para ajudar os soldados a adormecerem em situações que são menos do que ideais, tais como em cenários de guerra e em campos de batalha. Segredo esse que já tinha sido divulgado no livro ‘Relax and Win: Championship Performance’ (‘Relaxe e Ganhe: Performance de Campeões’) em 1981, mas que ganhou recentemente popularidade após ter sido partilhada no portal de informação britânico Joe.co.uk. Pensa-se que os chefes das forças armadas terão desenvolvido a técnica de modo a garantirem que os soldados não cometiam erros devido à exaustão. Eis o que deve fazer: 1. Relaxe os músculos da face, incluindo a língua, o queixo e os músculos ao redor dos olhos. 2. Descaia os ombros o mais possível, a parte superior do braço e o antebraço (um lado de cada vez). 3. Expire, relaxando o peito e seguidamente as pernas – começando pelas coxas para baixo. 4. De seguida passe cerca de 10 segundos a tentar esvaziar a mente antes de se focar em um destes três cenários: . Está deitado numa canoa, num lago calmo, com nada mais do que o céu azul acima de si; . Está deitado numa cama de rede de veludo preta, num quarto escuro; . Diz ininterruptamente para si próprio, durante 10 segundos: ‘não penses, não penses, não penses’. De acordo com os especialistas a técnica funciona em 96% dos indivíduos que a adotam após seis semanas de prática. E você, vai experimentar? Bons sonhos!

Dorme como um leão ou um golfinho? Um especialista em sono explica

quarta-feira, 05 setembro 2018
‘Cronotipo de sono’ é a expressão utilizada pelo Today, que explica ser o que difere os seres humanos e distingue aqueles que acordam cheios de energia dos que não conseguem ser produtivos antes da hora de almoço. Para entender melhor estas divergências entre relógios biológicos, que é o que nos faz acordar com maior ou menor facilidade, bem como ser maior produtivo à noite ou de manhã, Michael Breus , especialista em sono, relaciona espécies de animais aos vários tipos de comportamento humano associado ao sono. Ao identificar-se a um destes casos, vai saber ajustar melhor a sua rotina em vez de tentar seguir os conselhos de alguém que tenha um relógio biológico diferente do seu. Posto isto, veja ‘que animal é’: Leão: Os leões são animais racionais, estáveis e práticos, refere Breus, por isso as pessoas que têm este cronotipo – entre 15 a 20% da população mundial, segundo o especialista, são aquelas que tendem a priorizar a sua saúde e interações positivas. Prioridades definidas, o mais aconselhado a este tipo de pessoas é que acordem cedo e ‘despachem’ a maior parte das tarefas propostas para aquele dia durante a manhã. Planeia o dia e guarde as tarefas menos intensas para o final do dia – exercício físico inclusive. Assim, vai estar pronto para dormir cedo e consequentemente acordar cheio de energia, e bem cedo, no dia seguinte. Urso: A maioria das pessoas “é um urso”, aponta o especialista que especifica a percentagem de 50% para este cronotipo. São pessoas que tendem a evitar conflitos e para quem a prioridade é a felicidade que se traduz em momentos de socialização e livres de stress. Segundo os horários socialmente estipulados, as pessoas com o cronotipo de urso devem acordar entre as 7 e as 8h da manhã, ou seja, próximo do horário de trabalho o que não dá grande espaço para realizar outras tarefas antes de entrar no escritório. Evite deitar-se muito tarde, pois o dia tende a ser cheio, já que na agenda as reuniões e tarefas de trabalho são tão importantes quanto o copo ao final do dia – e há tempo para tudo, basta agilizar a agenda. Lobo: Não são poucos aqueles que se auto-definem como ‘pessoas noturnas’. Estima-se que entre 15 e 20% da população tenha o cronotipo do lobo, que se associa aos indivíduos que têm grande dificuldade em acordar de manhã e é à tarde que são bem mais energéticos. Porque os horários sociais nem sempre estão de acordo com os ‘dos lobos’, este tipo de pessoa tende a ser por vezes algo pessimista. Para o contrariar, organize-se de modo a garantir que o máximo de tarefas possíveis são concluídas ao final do dia. Se não o pode fazer com o trabalho, garanta que o treino e os encontros sociais acontecem sempre ao final do dia e opte pelas tarefas mais básicas para de manhã. Golfinho: Este é o cronotipo com que menos pessoas se identificam (apenas 10% da população). Os golfinhos lutam constantemente contra a insónia. Têm um sono bastante sensível que se conjuga com uma tendência para o perfecionismo que, não atingindo, leva ao stress que não o deixa dormir. A quem se depara com tais questões, experimentar diversas soluções apontadas aos casos de problemas de sono é aconselhado, mas em vários casos, uma sesta poderá ajudar a que se seja um pouco mais produtivo, já que é à tarde, quando estão mais dispersos, que estes indivíduos tendem a aumentar o stress que advêm das tarefas que ainda não conseguiu concluir.

Dormir com o cabelo solto faz mal à pele (cuide-se)

terça-feira, 26 junho 2018
Se tem tendência a ter borbulhas então talvez deva modificar sua rotina de sono. Apesar de ainda não ter sido inventada uma solução genuinamente miraculosa para a má pele, há certas ações que provavelmente pratica e que podem estar a causar ou a agravar esse problema.   Se é verdade que o stress e o tipo de dieta ingerida são os principais fatores, é igualmente verdade que o os ‘malditos’ genes, o meio ambiente citadino e a poluição também propiciam o aparecimento de borbulhas. Uma das mudanças que deve considerar para impedir a continuação deste incómodo tem a ver com o que faz ao seu cabelo quando vai para a cama. Se tem o cabelo comprido e dorme com ele solto, este poderá ser mais um dos fatores que lhe está a provocar borbulhas, já que o cabelo oleoso ou com sujidade pode estar a poluir a sua pele. Os óleos naturais do cabelo, tal como outros produtos capilares (como champôs, amaciadores ou cremes de tratamento) podem causar o entupimento dos poros e irritar a derme. A solução porém é simples e não envolve loções ou poções dispendiosas. Basta atar o cabelo, ao de leve (porque demasiado apertado prejudica o couro cabeludo), de modo a mantê-lo afastado da face. E se quiser garantir com toda a certeza que o cabelo não ‘escapa’ durante a noite, então talvez seja uma boa ideia investir num lenço de ceda para prender o cabelo.

A Eurofutton confirma presença...

quinta-feira, 08 fevereiro 2018
Temos o prazer de confirmar a nossa presença neste certame que é um dos mais antigos no nosso concelho, atualmente, a Maior Feira Agropecuária do Norte e uma das maiores do País Venha conhecer-nos!

A Era do Grafeno: Tecnologia Revolucionária de Baterias Samsung

segunda-feira, 22 janeiro 2018
Os tempos pré-históricos e a história antiga são definidos pelos materiais que foram aproveitados durante esse período. Temos a idade da pedra, a idade do bronze e a idade do ferro. Hoje é um pouco mais complexo, vivemos na era espacial, na era nuclear e na era da informação. E agora estamos entrando na era do grafeno, um material que será tão influente para o nosso futuro, que deve ajudar a definir o período em que vivemos. As aplicações potenciais para o Graphene incluem usos em medicina, eletrônica, processamento de luz, tecnologia de sensores, tecnologia ambiental e energia, o que nos leva à incrível tecnologia da bateria da Samsung!

Um Olhar sobre a Espumas Viscoelástica de Célula Aberta

segunda-feira, 22 janeiro 2018
Uma das maiores invenções da indústria de poliuretano em termos de conforto, foi sem dúvida a espuma viscoelástica. A caracterização deste tipo de espuma, é baseada na sua recuperação lenta no retorno à sua forma inicial. Quando submetida a pressão, esta espuma adquire progressivamente a forma do corpo ou objecto.

Melatonina: tudo sobre o hormônio do sono

quarta-feira, 17 janeiro 2018
A começar pela melhora das noites dormidas, saiba para que serve essa substância cada vez mais estudada e quais suas indicações No centro da nossa cabeça, bem no meio do cérebro, existe uma estrutura do tamanho de uma semente de laranja. É a glândula pineal, que o filósofo francês René Descartes (1596-1650) considerava a morada da alma, e os hindus, a sede de um dos chacras mais importantes do corpo. É ali, conforme a ciência desvendou depois, que se produz o hormônio do sono, a melatonina. Uma substância que já foi copiada e sintetizada pelo homem e está cada vez mais em evidência nas pesquisas e no mercado. Enquanto no Brasil ela começa a dar as caras, nos Estados Unidos é largamente encontrada. E vendida sobretudo com a promessa de um sono melhor. Fabricada pelo corpo, a melatonina não só regula o momento de dormir como participa da reparação das nossas células, expostas a estresse, poluição e outros elementos nocivos. “Ela é um antioxidante poderoso e combate os radicais livres que agridem o organismo”, conta José Cipolla Neto, professor do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo. Na realidade, a substância está entre as mais primitivas de que se tem notícia e aparece em todos os seres vivos, incluindo as plantas. “A melatonina é o hormônio da noite”, crava o endocrinologista Bruno Halpern, diretor da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Em sincronia com o fim do dia e da luminosidade, ela passa a ser liberada a fim de preparar o organismo para o período noturno. A resposta a esse fenômeno varia de acordo com a espécie: ratos ficam espertos e ativos para procurar comida, a gente quer ir para a cama. A melatonina sintética é uma molécula igualzinha à versão natural. Em terra americana, é vendida como suplemento alimentar – daí a alta disponibilidade. Na Europa e em outros países, porém, o controle é mais rigoroso. É o caso do Brasil. No momento, nenhuma farmacêutica tem licença para produzir e comercializar a substância por aqui. O laboratório Aché está no meio do processo para conseguir esse aval, o que deve demorar entre um e dois anos. Até lá, só há dois meios de ter acesso à melatonina: via farmácias de manipulação, que obtiveram o direito de formulá-la em 2017, ou trazendo de fora. Segundo os estudos, o composto sintético mostra eficácia para corrigir algumas irregularidades do sono, como quando a pessoa demora muito a adormecer, ou se o indivíduo com tendência a dormir e acordar tarde precisa se reajustar à rotina. Outra indicação é amenizar o jet lag, aquela confusão com o fuso horário causada por longas viagens Idosos com problemas de sono também tirariam vantagem porque, com a idade, cai a produção natural. E a melatonina ainda pode ser receitada a deficientes visuais com o objetivo de organizar seu relógio biológico. Mas o hormônio sozinho não é indicado para resolver qualquer desarranjo de sono. Quem tem insônia terminal, aquela em que se acorda no meio da noite e não se dorme mais, nem sempre se beneficia. Trabalhadores noturnos também só devem usar com alguns cuidados – como não tomar a melatonina de dia, sob o risco de dessincronizar ainda mais o organismo. “Nesses casos, o ideal seria tomá-la só nos dias de descanso”, diz Cipolla. A melatonina também já é usada em outras frentes, como coadjuvante no controle de desordens neurológicas e psiquiátricas. Um exemplo são crianças autistas. “Com a substância, há melhoras na ansiedade e no comportamento”, nota a neuropediatra Eliete Chiconelli, da Universidade Federal de São Paulo. Também está cada vez mais documentada a participação da melatonina no sistema imunológico. Ela não só ajuda a prevenir o aparecimento do câncer como há experiências com o uso dentro do próprio tratamento. A lista de outros males que podem ganhar o reforço do composto não é pequena: vai de enxaqueca a Parkinson. Até a obesidade e suas consequências metabólicas estão na mira. “Muitas pessoas acima do peso têm distúrbios do sono e alteração do ritmo circadiano, com um potencial prejuízo na liberação da melatonina”, justifica o cardiologista Luciano Drager, do Instituto do Coração (InCor), em São Paulo, que prepara um promissor estudo a respeito. “Nossa intenção é avaliar se, além de regular o ritmo do corpo, a melatonina traria benefícios como redução do peso e da pressão arterial”, adianta. O hormônio é encontrado em comprimidos, cápsulas, gotas ou spray nasal… e a forma de administração e o horário de uso dependem da indicação médica. Aliás, por se tratar de uma substância com inúmeras repercussões no organismo, é primordial consultar um profissional para saber se há realmente necessidade dela. Até porque, se não existir irregularidade em jogo, o melhor jeito de assegurar a ação da melatonina é cuidar bem da nossa própria fabriquinha natural. Nesse sentido, um dos principais conselhos é evitar muita luz à noite, especialmente a azul, emitida pela tela de qualquer equipamento eletrônico. Hoje já existem inclusive programas que filtram essa luz em celulares, tablets e computadores. Algumas horas antes de dormir, nada de fazer refeições pesadas ou cheias de carboidrato simples, capazes de atrapalhar a produção interna. Vale, isso sim, investir em fontes do aminoácido triptofano, como banana e leite, porque o hormônio é sintetizado a partir dele. São cuidados para garantir que a melatonina continue trabalhando, enquanto a gente repousa e se recupera para o dia seguinte.   Como funcionam a produção e a atuação da melatonina A fábrica À medida que escurece, os olhos e o cérebro avisam a glândula pineal, também na cabeça, que é hora de liberar a melatonina. Ela vai para a corrente sanguínea e viaja pelo corpo. O trabalho Em contato com as células, o hormônio induz o corpo ao sono e ao jejum. Cerca de 90% da melatonina circulante vai parar no fígado, onde é destruída para ser eliminada pela urina depois. Outras praças Segundo Cipolla Neto, algumas áreas do corpo produzem melatonina para uso próprio – nesse caso, ela age na defesa local e não como hormônio. Isso ocorre na pele, na retina, no intestino…   Indicações do hormônio do sono Enxaqueca Em alguns tipos, ligados ao sono ou a distúrbios no ritmo biológico, a substância é suficiente para resolver o problema. Câncer Por reforçar a imunidade, ela ajuda a destruir células tumorais, virando coadjuvante no tratamento de alguns quadros da doença. Autismo A maioria das crianças com a condição produz pouca melatonina, tendo um sono inadequado, o que impacta no comportamento. Atraso do sono Para quem tem dificuldade de adormecer, ou vai para a cama muito tarde, dá pra antecipar o sono com o hormônio. Envelhecimento A síntese de melatonina cai com a idade. Então idosos podem se beneficiar (inclusive para o sono) com a reposição.

Um sono reparador!

segunda-feira, 15 janeiro 2018
Passamos, pelo menos, um terço da nossa vida a dormir. Um terço? Parece um desperdício de tempo, não é? Aliás se pensar no seu caso verifica que, provavelmente, não dorme 7-9 horas por dia e se calhar nem sente que precisa certo? Errado! Um sono reparador tem uma importância essencial no nosso bem-estar, permitindo o restabelecimento de vários sistemas do organismo e a recuperação de energia. A ausência de um sono com qualidade reduz a concentração, diminui a produtividade e pode contribuir para o desenvolvimento de problemas de saúde como doença cardíaca e diabetes. Não está convencido? E se falarmos da melatonina? Esta é uma hormona cuja produção e libertação é estimulada pela escuridão e ocorre, maioritariamente durante a noite. Sabe-se que induz o sono, tem propriedades antioxidantes e ainda influencia o nosso sistema imunitário e a resposta do organismo ao stress. Ainda não está convencido que precisa de adotar melhor hábitos de sono? E se lhe dissermos que cerca de 45% da população mundial apresenta distúrbios de sono, na maioria evitáveis ou tratáveis? Já captámos a sua atenção? Quer dormir melhor, pela sua saúde? Siga as seguintes dicas para um sono verdadeiramente reparador: - Crie no quarto um ambiente confortável, com pouca luz e pouco ruído e com uma temperatura adequada; - Estabeleça um horário regular para se deitar e acordar e utilize roupa de cama confortável; - Se costuma fazer sestas evite que estas durem mais de 45 minutos por dia; - Se tem de estar acordado à noite utilize uma luz de fraca intensidade e de cor quente, alaranjada ou avermelhada: luzes mais intensas podem suprimir a produção de melatonina; – Evite a ingestão excessiva de álcool, principalmente até quatro horas antes de dormir; - Evite o consumo de alimentos com cafeína, como o chá, café e chocolate, até seis horas antes de dormir; – Evite refeições pesadas ou picantes, até quatro horas antes de dormir; – Coma bananas, milho-doce, gengibre e tomate: estes alimentos são ricos numa substância precursora da melatonina e podem contribuir para regular os níveis desta hormona; - Evite utilizar o quarto para ver televisão ou estar no computador, particularmente nas horas antes de se deitar; - Pratique atividade física regularmente, mas evite fazê-lo imediatamente antes de se deitar.
subscrever a nossa newsletter
Receba em primeira mão as nossas notícias e novidades
Este website usa cookies para melhorar a navegação dos nossos utilizadores. Ao navegar no site está a consentir a sua utilização. Fechar ou Saber Mais